À primeira vista, ninguém está preparado para lidar com a morte de um familiar. Isso porque vivenciar a experiência de conviver com a morte de alguém querido provoca sentimentos de dor e tristeza que, por fim, após o luto podem causar depressão.

Infelizmente, somos pouco preparados e educados para enfrentar perdas alheias à nossa vontade.

Encarar uma nova realidade sem a pessoa que amamos exige muito esforço para conseguirmos suportar a dor do luto.

Por isso, nesse post, vamos mostrar como evitar que o luto se torne uma doença. Continue a leitura.

Quando o luto vira doença

O fato é que a morte ainda é um grande tabu em nossa sociedade.

Apesar de sabermos que a morte é inevitável, lidar com a perda de alguém segue sendo a tarefa mais delicada com que vamos nos deparar algumas vezes ao longo da nossa vida. 

Este processo através do qual buscamos amenizar o sofrimento causado pela partida de um ser que amamos é o que, em geral, costumamos chamamos de luto.

Embora seja natural, o luto pode se tornar uma doença à medida que ele fica mais intenso e contínuo do que o habitual, o que os especialistas chamam de luto patológico.

O luto patológico é dividido em: 

  • Luto Crônico: tem duração excessiva e nunca chega a um término satisfatório.
  • Luto retardado ou ausente: apesar de uma reação normal a essa perda, ainda assim não foi o suficiente para superá-la. E em outra situação de luto, a emoção expressa mostra-se desadaptada à perda atual.
  • Luto Severo: é a intensificação do luto.

Quais são as causas do luto patológico

Você já deve ter escutado alguém contar sobre a morte de um familiar e afirmar que, ao receber a notícia do falecimento, sofreu um choque. 

Nesse sentido, assim como um choque pode causar uma lesão que precisará de tratamento para que, aos poucos, a ferida cicatrize, se este machucado não for devidamente tratado, ele poderá abrir espaço para a entrada de outras doenças.

Portanto, a depender de quem era a pessoa que partiu, a forma da morte e, sobretudo, a natureza da ligação entre você e quem faleceu, o simples fato de adiar ou negar o luto podem causar doenças no futuro. 

Desse modo, quando você tenta agir como se nada tivesse acontecido, negando todos os sinais de sofrimento e dor, possivelmente, em pouco tempo, você poderá ser acometido de uma doença causada pelo luto patológico.

Como conviver com o luto

Naturalmente, não existe uma receita para aprender a conviver com o luto, mas o primeiro e mais adequado passo que você pode dar é procurar auxílio de um psicólogo que o auxiliará na elaboração do luto.

Outra recomendação é buscar o acompanhamento de um psiquiatra, pois devido ao agravamento dos sintomas o uso de psicofármacos geralmente se faz necessário.

Como curar o luto patológico

Esse processo de cura se dá após o reconhecimento e aceitação da morte ocorrida e, também, com a retomada do controle de suas emoções e problemas que essa perda ocasionou ao enlutado. O luto aparentemente resolvido pode deixar marcas que se manifestarão ao longo de toda a vida.

Nós, da Viva Mais Plan, incentivamos que você procure atendimento especializado para lidar com a dor do luto. Sem dúvida alguma, ver você pensando em seu próprio bem-estar e saúde é algo que quem partiu sentiria alegria em testemunhar.