Certamente você escutou alguém dizer que os nossos avós são pais com açúcar. Infelizmente, todo o amor que nos dão um dia se tornará apenas boas memórias.

Por mais duro que seja falar sobre a perda dos avós, em algum momento você experimentará a morte de pelo menos um deles em sua jornada.

E, quando isso acontecer, como você lidará com a dor intensa?

Nesse post, vamos discutir alguns dos desafios comuns ao luto pela morte de um avô.

Talvez seja a sua primeira experiência com a morte

Em média, há cerca de 47 anos entre avós e netos. Com essa diferença de idade, muitas pessoas vivenciam a morte de pelo menos um de seus avós na infância ou no início da idade adulta e, para muitos, essa será sua primeira experiência com a perda.

Experimentar a morte de um ente querido pela primeira vez pode ser confuso e assustador e pode levar a perguntas sobre a morte, rituais relacionados à morte e luto.

Embora o luto seja sempre individual, a idade pode influenciar a compreensão e a resposta de uma pessoa à perda.

Seus pais, tias, tios, irmãos e primos também podem estar sofrendo

A morte de qualquer membro da família pode ter um impacto na família como um todo. A morte de um avô é muitas vezes sentida profundamente por muitos membros de sua família.

Dependendo das circunstâncias, você pode sentir que precisa priorizar as necessidades dos outros em sua família antes de atender à sua própria dor e bem-estar.

Existe um provérbio que diz: “O luto dividido torna-se mais leve”.

Neste sentido, isso quer dizer que quando todos sofremos juntos – quando compartilhamos nossas tristezas, nossos medos e nossas lembranças alegres – somos capazes de dar e receber mais apoio e conforto do que se estivéssemos sofrendo sozinhos.

Não ligue se alguém minimizar a sua perda

Após a morte de um ente querido, as pessoas muitas vezes esperam que os outros simplesmente aceitem a perda como um capítulo natural da vida.

Não resta dúvida que a pessoa que morreu é importante e amada por você. Então, quando alguém minimiza sua perda, parece que está minando o significado da pessoa e tirando seu direito de sentir dor.

As pessoas minimizam as perdas por vários motivos

Alguns podem até pensar que sua perda não é significativa com base na crença de que é a ordem natural esperada para os avós morrerem primeiro.

Além disso, que não tiveram tanta proximidade com os avós quanto você podem fazer julgamentos com base em sua própria experiência e considerar que a relação era distante.

Por outro lado, alguns podem perceber quanta dor você está sentindo, mas acabam oferecendo as palavras erradas de conforto. Por exemplo, talvez você já tenha ouvido coisas do tipo: – “Pelo menos eles viveram uma vida longa.”

Apesar de ser bastante comum este tipo de pensamento, um comentário parecido não é tão útil no luto, porque ser lembrado da idade de uma pessoa não faz nada para aliviar a dor causada por sua ausência.

Não aprendemos a dizer adeus

Afinal de contas, nunca haverá um ponto em que você irá dizer: – “Acho que passamos tempo suficiente juntos. Sim, eu tenho muitas memórias dos meus avós, então estou bem em deixá-los partir e nunca mais vê-los novamente”.

Apenas lembre-se, sua dor é um reflexo de seu relacionamento único com seus avós e sua capacidade individual de lidar com essa perda.

Você, e só você, sabe quanta dor está sentindo e como essa perda deve ser lamentada.

A Viva Mais Plan apoia a sua dor e acolhe você na hora da perda.

Conheça o Planejamento Funeral Familiar que permite incluir seus pais, seus filhos, seus sogros e, também, os seus avós.